Prévia Four Factors: Playoffs NBA – Temporada 2017-18

NBA Playoffs
Os Playoffs da NBA começam hoje!

Já está valendo! Neste sábado, 14 de abril, os Playoffs da NBA começaram. Dezesseis equipes, oito de cada conferência (Leste e Oeste) disputam a chance de levantar o Troféu Larry O’Brien, de campeão da temporada da National Basketball Association.

No Leste, estão nos Playoffs: Toronto Raptors, Boston Celtics, Philadelphia 76ers, Cleveland Cavaliers, Indiana Pacers, Miami Heat, Milwaukee Bucks e Washington Wizards. Representam a Conferência Oeste na fase final da NBA: Houston Rockets, Golden State Warriors, Portland Trail Blazers, Oklahoma City Thunder, Utah Jazz, New Orleans Pelicans, San Antonio Spurs e Minnesota Timberwolves.

Veja todos os posts sobre basquete

Confira mais publicações sobre a NBA

Os times classificados pela Conferência Leste foram definidos mais cedo. No dia 5 de abril, o Milwaukee Bucks garantiu a sua vaga na conferência, apesar da derrota para o New York Knicks – e, curiosamente, terminou na sétima colocação. No Oeste a situação foi completamente diferente: a disputa pela classificação aos Playoffs foi alucinante até o final, quando o Minnesota Timberwolves conquistou a oitava vaga no último dia da Temporada Regular, ao conquistar o triunfo sobre Denver Nuggets no confronto direto, e vai à pós-temporada da NBA pela primeira vez em 14 anos. A diferença entre o quarto colocado e o oitavo foi de apenas um jogo.

Nesta prévia, vamos analisar os pontos fortes e fracos das equipes classificadas, utilizando principalmente os Four Factors (Quatro Fatores) e outras estatísticas avançadas. (Para facilitar, dê Ctrl+F ou o comando de “localizar” do seu celular e pesquise pelo nome do time que deseja ler sobre).

Conferência Leste

Toronto Raptors#1 Toronto Raptors

Campanha: 59-23

Média de pontos marcados (Posição): 117,1 (4ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 103,9 (6ª – empatado)

Primeira série nos Playoffs: contra #8 Washington Wizards

Pontos fortes: Após quatro meses de temporada, o Toronto Raptors ultrapassou o Boston Celtics e assumiu a primeira posição da Conferência Leste em 9 de fevereiro, não saindo mais de lá, apesar de passar por instabilidade nos últimos 13 jogos da Temporada Regular, fazendo campanha 7-6 no período. Os Raptors possuem um dos times mais completos da NBA: a equipe do Canadá teve 53,9% de Porcentagem Efetiva de Arremessos de Quadra (eFG%), ocupando a quinta posição na liga, e a terceira melhor equipe na defesa nessa estatística, sendo um dos times com menos turnovers perdidos, 12,1% de Porcentagem de Turnovers (TOV%). Toronto ainda está entre os cinco melhores da liga no Offensive Rating (113,8; segunda posição) e Defensive Rating (105,9; quinto lugar).

Pontos fracos: Não que seja um problema lá muito grave, mas os Raptors caem um pouco em relação a outros números, como TOV% defensivo, na 15ª colocação na liga (13%) e a 25ª posição no índice de Lances Livres por Arremessos de Quadra Tentados (FT/FGA) dos adversários (.212), já que Toronto permitiu a quarta maior quantidade de free throws aos oponentes. O que pesa contra a equipe é o retrospecto ruim em pós-temporadas: em três das últimas quatro temporadas o Toronto Raptors terminou com na primeira posição na divisão, porém só chegou à final do Leste apenas uma vez, não passando nem da primeira rodada em duas oportunidades seguidas (2013-14 e 2014-15).

Boston Celitcs#2 Boston Celtics

Campanha: 55-27

Média de pontos marcados (Posição): 104,0 (20ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 100,4 (3ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #7 Milwaukee Bucks

Pontos fortes: A situação atual do Boston Celtics já foi explicada no nosso artigo sobre o impacto da ausência de Kyrie Irving. O time ficou boa parte da temporada na liderança da conferência, porém, como afirmado anteriormente, foi ultrapassado pelo Raptors em janeiro. Apesar de todas as lesões, a defesa celta foi uma das melhores da NBA, com o segundo menor eFG% (49,5%), e o menor Defensive Rating da liga, empatado com o Utah Jazz, além de beirar o top 10 em Porcentagem de Rebotes Defensivos (DRB%).

Pontos fracos: O ataque dos Celtics foi mediano nesta temporada – já que o time também perdeu Gordon Hayward, e ele seria muito importante ofensivamente -, com a 15ª posição em eFG% (51,8%) e TOV% (13,0%), caindo um pouco em Porcentagem de Rebotes Ofensivos (ORB%), na 18ª colocação (21,5%) e também no Offensive Rating.

Philadelphia 76ers#3 Philadelphia 76ers

Campanha: 55-27

Média de pontos marcados (Posição): 109,8 (7ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 105,3 (11ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #6 Miami Heat

Pontos fortes: O “processo” está funcionando! Depois de seis temporadas – e muitas derrotas – o Philadelphia 76ers chegou aos Playoffs. O décimo time mais novo da NBA está no top 10 da liga em Effective Field Goal Percentage, ocupando a sétima posição no ataque (53,3%) e liderando na defesa (49,2%), Porcentagem de Rebotes Ofensivos (25,3%, na terceira posição) e Defensivos, além de possuir o quarto melhor Defensive Rating.

Pontos fracos: O jovem time do 76ers tem problemas com turnovers: a equipe é a que mais perde a posse de bola na liga, com TOV% de  14,6%, enquanto que defensivamente tem a décima menor porcentagem de turnovers forçados (12,6%). É claro, também existe o fator falta de experiência nos Playoffs, que pode pesar para a equipe, no entanto o time da Cidade do Amor Fraternal demonstrou muito potencial, já nesta temporada.

Cleveland Cavaliers#4 Cleveland Cavaliers

Campanha: 50-32

Média de pontos marcados (Posição): 110,9 (4ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 109,9 (26ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #5 Indiana Pacers

Pontos fortes: LeBron James foi o jogador com mais pontos totais anotados em 2017-18, disputando a sua 15ª temporada na liga. King James pela primeira vez disputou todas as 82 partidas da Temporada Regular, e também teve a melhor temporada na carreira em média de assistências (9,1). Falando do Cleveland Cavaliers como um todo, os Cavs foram ótimos ofensivamente, com a terceira melhor eFG% (54,7%), ocupando a mesma posição na estatística True Shooting Percentage (TS%), com 58,4%, e Offensive Rating de 112,9, quinto maior da NBA.

Pontos fracos: A fragilidade defensiva de Cleveland foi inspiração para os nossos primeiros artigos sobre NBA. Os Cavaliers estiveram entre as cinco piores defesas em eFG% dos adversários (54,0%) e Porcentagem de Turnovers (12,2), além do segundo maior Defensive Rating da liga (111,9). No entanto, não se pode negar que ela melhorou um pouco no decorrer de 2017-18.

Defesa dos Cavaliers: antes e depois da Trade Deadline

O Cleveland Cavaliers foi o time que mais se movimentou durante a Trade Deadline, ocorrida em 8 de fevereiro, adquirindo Jordan Clarkson, Larry Nance Jr., Rodney Hood e George Hill. Até o dia 7 de fevereiro, Cleveland tinha a terceira pior média de pontos sofridos, permitia a terceira maior Porcentagem Efetiva de Arremessos de Quadra e a quinta menor Porcentagem de Turnovers. O time não melhorou muito nos pontos permitidos, mas em outros números demonstrou evolução, a despeito de não ser muito alta, como em eFG% (diminuição de 2,4%) e ORB% dos adversários (-6,9%).

Indiana Pacers#5 Indiana Pacers

Campanha: 48-34

Média de pontos marcados (Posição): 105,6 (17ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 104,2 (9ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #4 Cleveland Cavaliers

Pontos fortes: O time de Indiana se dá bem com os turnovers: a equipe é a sexta (empatada) com menos bolas perdidas (12,3%) e é o segundo time que mais força erros dos oponentes (14,2%). A equipe de Victor Oladipo (23,1 pontos por jogo e 2,4 roubos por jogo, liderando a liga no quesito) bateu na trave para entrar no grupo dos 10 melhores da NBA em eFG% do ataque e também em Offensive Rating.

Pontos negativos: O fato de ficar apenas próximo do top 10, entrando em duas estatísticas – além da Razão entre Lances Livres e Arremessos de Quadra (FT/FGA) dos adversários – é no mínimo inusitado: os Pacers terminaram a temporada na 13ª colocação em DRtg (108,1) e True Shooting Percentage, Porcentagem de Rebotes Ofensivos; isso dá a impressão que falta alguma coisa a mais para equipe. O problema de Indiana mesmo é permitir alto aproveitamento aos adversários nos arremessos de quadra, eFG% de 52,7%, 19º lugar, e  também recuperar rebotes defensivos, sendo o quinto pior time da liga (76,3%).

Miami Heat#6 Miami Heat

Campanha: 44-38

Média de pontos marcados (Posição): 103,4 (23ª – empatado)

Média de pontos sofridos (Posição): 102,9 (4ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #3 Philadelphia 76ers

Pontos fortes: O time da Flórida teve uma das defesas mais eficientes da NBA nesta temporada, com a sexta maior porcentagem de rebotes defensivos recuperados (79,0%), permitir um eFG% de apenas 50,7% aos adversários, empatado na sétima posição, e ocupar a mesma posição em Defensive Rating (106,3).

Pontos fracos: Já ofensivamente, o Heat sofreu com certa instabilidade ofensiva, variando entre a 14ª colocação em eFG% (52,0%), 17ª posição (empatado) em TOV% (13,3%) e ORB% (21,5%), e o nono pior Offensive Rating da liga (106,8).

Milwaukee Bucks#7 Milwaukee Bucks

Campanha: 44-38

Média de pontos marcados (Posição): 106,5 (15ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 102,9 (4ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #2 Boston Celtics

Pontos fortes: Não podemos negar que o Milwaukee Bucks viveu fortes emoções durante 2017-18: o técnico Jason Kidd foi demitido no dia 22 de janeiro, quando a campanha da equipe era de 23-22. Após o auxiliar Joe Punty assumir o comando, o recorde de Milwaukee foi de 21-16 – evolução de 11,05% no aproveitamento (de 51,1% para 56,8%). O time do grego Giannis Antetokounmpo e de Khris Middleton teve bons números ofensivos, sendo o oitavo melhor time na Porcentagem Efetiva nos Arremessos de Quadra (53,1%), 22,0% de FT/FGA, quinta posição, além do sexto melhor TS% (57,1%) e o rating ofensivo de 109,8, nono maior da NBA.

Pontos fracos: Se o ataque foi bem, não podemos afirmar o mesmo sobre a defesa. Os Bucks terminaram na 20ª posição no eFG% dos adversários (52,8%), sendo o segundo pior time no aproveitamento de rebotes defensivos e o Defensive Rating maior do que o do ataque 110,1 contra o já mencionado 109,8, no 18º lugar (empatado).

Washington Wizards#8 Washington Wizards

Campanha: 43-39

Média de pontos marcados (Posição): 106,6 (13ª – empatado)

Média de pontos sofridos (Posição): 106,0 (15ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #1 Toronto Raptors

Pontos fortes: Em dado momento da temporada, enquanto o Cleveland Cavaliers passava por uma fase muito instável, começamos a série “Quem vai ultrapassar o Cleveland Cavaliers na 3ª posição na Conferência Leste” no Twitter, e o time da capital dos Estados Unidos chegou a ser cogitado a assumir o posto. Mas, ao fim da Temporada Regular, Washington terminou na oitava colocação na conferência. Washington margeia o grupo dos 10 melhores times da NBA em eFG% e TS%. Os Wizards se destacam nos rebotes ofensivos, com ORB% de 23,5, oitavo melhor (empatado) e porcentagem de turnovers forçados na defesa, 13,6%, ocupando a mesma colocação.

Pontos fracos: Washington Wizards foi mediano em alguns quesitos, como a Porcentagem Efetiva de Arremessos de Quadra na defesa de 52,2%, empatado na 15ª posição, com o mesmo se repetindo em FT/FGA do ataque, porcentagem de rebotes defensivos e nos Offensive e Defensive Ratings.

Conferência Oeste

Houston Rockets#1 Houston Rockets

Campanha: 65-17

Média de pontos marcados (Posição): 112,4 (2ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 103,9 (6ª – empatado)

Primeira série nos Playoffs: contra #8 Minnesota Timberwolves

Pontos fortes: Os Rockets terminaram a temporada com a melhor campanha da NBA, fazendo história nos arremessos de três e James Harden é o mais cotado para receber o prêmio de Jogador Mais Valioso (MVP) de 2017-18.  O ataque da equipe foi sensacional, o melhor em Offensive Rating (114,7), segundo colocado em Effective Field Goal Percentage (55,1%) e também em True Shooting Percentage, e empatado no primeiro lugar em Lances Livres por Arremesso de Quadra (23,3%). Os líderes na temporada foram eficientes na defesa forçando turnovers (13,4%), na 11ª posição, ocuparam a terceira posição nos rebotes defensivos (79,9%), além de possuírem sexto melhor DRtg (106,1).

Pontos fracos: O time de Houston não teve um bom aproveitamento na recuperação de rebotes ofensivos, ocupando apenas a 21ª posição na liga, além de estar apenas na média da NBA no quesito eFG% defensivo (52,1%), na 13ª colocação na NBA.

Golden State Warriors#2 Golden State Warriors

Campanha: 58-24

Média de pontos marcados (Posição): 113,5 (1ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 107,5 (18ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #7 San Antonio Spurs

Pontos fortes: Os atuais campeões da NBA foram excelentes arremessando. A equipe terminou a temporada como a melhor em Porcentagem Efetiva de Arremessos de Quadra (56,9%) e em True Shooting Percentage (60,3%), além de ter possuído o terceiro maior Rating ofensivo (113,6). Na defesa, o time de Oakland não permitiu um aproveitamento alto, com o quinto menor eFG% (50,4%) da NBA, além do 11º melhor DRtg (107,7).

Pontos fracos: Os Dubs tiveram vários problemas com jogadores machucados em 2017-18, principalmente com Stephen Curry: o armador já ficou 31 jogos fora e não irá entrar em quadra nesta primeira rodada. Ainda, Golden State foi irregular nas últimas 17 partidas da temporada, com 7-10 de record. A equipe foi uma das piores da liga perdendo a posse da bola, com 14,1% de turnovers ofensivos e também não se destacou muito conquistando rebotes no ataque, com 21%, na 24ª colocação na temporada. Esses problemas se repetem no lado defensivo da quadra: os Warriors ocupam a 18ª posição (empatado) em TOV% e na 25ª colocação (empatado com o Indiana Pacers) em DRB% (76,3%).

Portland Trail Blazers#3 Portland Trail Blazers

Campanha: 49-33

Média de pontos marcados (Posição): 105,6 (16ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 103,0 (5ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #6 New Orleans Pelicans

Pontos fortes: A equipe do Oregon teve ótimo desempenho em 2017-18 na embolada Conferência Oeste, contando com a sequência de 13 vitórias consecutivas para se consolidar na terceira posição. Portland teve uma das melhores defesas do campeonato, com o quarto menor eFG% (50,3%), sendo a sexta melhor equipe pegando rebotes defensivos (79,1%), e encerrando a temporada em oitavo no quesito Defensive Rating (106,4). No ataque, os Trail Blazers são eficientes não sofrendo turnovers, com TOV% de 12,3%, sexto melhor (empatado), e pegando rebotes, na décima colocação (23,3%).

Pontos fracos: Portland não possuiu um bom aproveitamento nos arremessos de quadra, com 51,1% de Effective Field Goal Percentage, oitavo pior da NBA, e teve um Offensive Rating um pouco acima da média, na 15ª colocação (109,1). No lado defensivo da quadra, os Trail Blazers não foram capazes de forçar turnovers, tendo a segunda menor porcentagem (11,7%).

Oklahoma City Thunder#4 Oklahoma City Thunder

Campanha: 48-34

Média de pontos marcados (Posição): 107,9 (12ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 104,4 (10ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #5 Utah Jazz

Pontos fortes: O armador Russell Westbrook fez mais uma grande temporada, conseguindo média de um triplo-duplo (25,4 pontos, 10,3 assistências e 10,1 rebotes) pela segunda vez seguida. A equipe do Thunder é eficiente não sofrendo turnovers ofensivos (TOV% de 12,4) e, ao mesmo tempo, força muitos erros dos adversários, com maior Porcentagem de Turnovers da liga (14,7%). OKC também terminou 2017-18 na liderança em Porcentagem de Rebotes Ofensivos (27,7%) e ficou na sétima posição na estatística Offensive Rating (110,7), enquanto no defensivo ocupou a nona colocação (107,2).

Pontos fracos: Oklahoma caiu um pouco de produção após a lesão de Andre Roberson, o qual rompeu o tendão patelar no dia 27 de janeiro: antes de ele ser machucar, o Thunder tinha campanha 29-20, e no restante da temporada foi de 19-14, queda de 2,7% no aproveitamento de vitórias (nos primeiros confrontos depois da saída de Roberson foi pior). O time foi mediano em alguns números, como o eFG% no ataque (51,4%) e na defesa (52,5%), além dos rebotes defensivos (77,4%).

Utah Jazz#5 Utah Jazz

Campanha: 48-34

Média de pontos marcados (Posição): 104,1 (19ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 99,8 (1ª – empatado)

Primeira série nos Playoffs: contra #4 Oklahoma City Thunder

Pontos fortes: A equipe de Utah não possui o ataque mais “potente” anotando pontos, mas ele rendeu bastante em alguns momentos, como na sequência de 11 vitórias seguidas entre o final de janeiro e o início de fevereiro. Ainda assim, a equipe foi uma das mais precisas da NBA, com Aproveitamento Efetivo nos Arremessos de Quadra de 52,7%, empatado na nona posição, além da oitava colocação na razão entre lances livres e arremessos tentados (20,2%). Nos Quatro Fatores defensivos, o Utah Jazz fica entre os 10 melhores em três: eFG%, TOV% e DRB%, e está empatado com o Boston Celtics na primeira posição em Defensive Rating (103,9).

Pontos fracos: Como dito no tópico anterior, o Jazz tem dificuldades ofensivas: o time terminou a temporada com a sétima maior porcentagem de turnovers (13,7%) e apenas o 20º maior aproveitamento nos rebotes de ataque (21,5%) e o Rating ofensivo ser um pouco abaixo da média, 108,4.

New Orleans Pelicans#6 New Orleans Pelicans

Campanha: 48-34

Média de pontos marcados (Posição): 111,7 (3ª – empatado)

Média de pontos sofridos (Posição): 110,4 (29ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #3 Portland Trail Blazers

Pontos fortes: Os Pelicans foram mais um time que sofreu do mal das lesões de jogadores importantes: eles perderam o pivô DeMarcus Cousins, com o tendão de Aquiles rompido, no final de janeiro. A equipe de New Orleans, porém, conseguiu manter o ritmo, graças ao incrível Anthony Davis, que subiu bastante de produção para compensar a ausência de Boogie. NOLA teve o quarto melhor eFG% da temporada (54,1%) e ficou na décima colocação no rating de ataque (109,6), já que foi o time com mais posses de bola por jogo. A despeito de permitir muitos pontos, a defesa dos Pelicans possui qualidades, como o nono menor aproveitamento efetivo de arremessos de quadra (51,3%) e o oitavo melhor FT/FGA (17,5%).

Pontos fracos: A equipe está acima da média de liga em turnovers sofridos, com 13,3%, e está entre as piores nos rebotes ofensivos (20,0%), erros forçados contra os oponentes, e ocupa a 20ª posição (empatada) em porcentagem de rebotes de defesa (76,7%).

San Antonio Spurs#7 San Antonio Spurs

Campanha: 47-35

Média de pontos marcados (Posição): 102,7 (27ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 99,8 (1ª – empatado)

Primeira série nos Playoffs: contra #2 Golden State Warriors

Pontos fortes: A equipe treinada por Gregg Popovich teve uma das melhores defesas da NBA, ficando no top 10 em três categorias do Four Factors: Porcentagem Efetiva nos Arremessos de Quadra (50,7%), Porcentagem de Rebotes Defensivos (78,6%) e Lances Livres por Arremessos de Quadra (17,0%), além do terceiro menor Rating defensivo. Superando as dificuldades do ataque, os Spurs foram um dos times que menos perdem a posse de bola, com apenas 12,2% de turnovers, e também na recuperação de rebotes ofensivos, na sexta posição (23,7%).

Pontos fracos: Kawhi Leonard entrou na quadra em apenas nove partidas nesta temporada. Ele não vai retornar para o Jogo 1 contra os Warriors, e seria importante para melhorar a equipe ofensivamente, além de subir ainda mais o nível defensivo de San Antonio. O time terminou a temporada com o quinto menor eFG% (50,7%) e o sexto pior TS% (54,3%). Se comparado com os números por jogo, a equipe teve um Offensive Rating razoável (107,9), na 17ª colocação.

Minnesota Timberwolves#8 Minnesota Timberwolves

Campanha: 47-35

Média de pontos marcados (Posição): 109,5 (8ª)

Média de pontos sofridos (Posição): 107,3 (17ª)

Primeira série nos Playoffs: contra #1 Houston Rockets

Pontos fortes: Finalmente! Depois de 14 anos, finalmente o Minnesota Timberwolves se classificou aos Playoffs da NBA. O time de Karl-Anthony Towns e Jimmy Butler, terminou a Temporada Regular entre os cinco melhores da NBA em três estatísticas dos Quatro Fatores ofensivos: Porcentagem de Turnovers Ofensivos, empatado na primeira colocação com o Charlotte Hornets (11,4%); Porcentagem de Rebotes Ofensivos (24,4%) e Razão entre Lances Livres e Arremessos de Quadra (22,5%). Os Wolves tiveram o  quarto maior Rating de ataque (113,4) e o nono melhor True Shooting Percentage (56,6%). Na defesa, Minnesota foi uma das equipes com mais turnovers forçados contra os adversários, com 13,9%.

Pontos fracos: A equipe dos Wolves foi vulnerável defensivamente durante a temporada. Minnesota permitiu o quinto maior eFG% (53,9%) e não teve um alto aproveitamento de rebotes recuperados (76,4%), na 24ª posição da NBA. O Defensive Rating do Minnesota Timberwolves foi o terceiro pior (empatado) da liga (111,1).

Curta a nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter e no Instagram. Assine também a newsletter do Nas Entrelinhas do Jogo e receba as publicações por e-mail.

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s